sábado, 3 de abril de 2010

IN MEMORIAM ZACHARIAS D'AÇA 1839-1908


"Entroncado, de bom aspecto, bigode forte e mosca, com seu colarinho engomado e gravata preta em laço, quase uma fita, Francisco Zacarias de Araújo da Costa Aça tinha um ar de bonomia, filho de um militar, Zacarias D’Aça foi um erudito, um caçador emérito, um escritor vernáculo e cavaqueador infatigável.

Profissionalmente, foi 2º oficial da Direcção Geral d’Instrução Pública; leccionou durante 14 anos no Colégio Luso-Brasileiro, foi sócio efectivo do Grémio Artístico e Académico, sócio de mérito da Academia Real de Belas Artes, exercendo com a maior competência o cargo de bibliotecário.
Dedicou-se a assuntos históricos, cinegéticos, à arte e investigação deixando vasta obra publicada, privou com Castilho, Herculano, de quem herdou qualidades literárias.

Prosador de finas e poderosas faculdades, teve singeleza e colorido, elegância e individualidade.

Para além de colaborador em esparsos periódicos da época Occidente, Tiro Civil, Tiro e Sport, A Caça, foi também fundador e director literário do primeiro periódico de caça que existiu nas nossas terras Jornal dos Caçadores, 1875. Também preparou e publicou obras onde o prazer da caça sempre teve lugar destacado, como sucedeu em 1883 com o Almanach dos Caçadores, que incluía preciosas informações e conselhos úteis. Em 1899 publica Caçadas Portuguesas. Figuras de campo, paisagens; e aqui quer na descrição de caçadas, de paisagens ou personagens, a sua pena esteve seguramente à altura de um Silva Porto. Em 1907 já bastante doente, e como se de um último fôlego de tratasse ainda publicou Lisboa Moderna onde trata de assuntos para além do prazer da caça, ainda assim pintando com toda a sua mestria uma boa meia dúzia de episódios de caça. E como se não bastasse por si só, a beleza no estilo, o apropriado da linguagem a graça na descrição, também figuram nas suas páginas os caçadores mais notáveis da época.

Pode ser-se um bom caçador no mato, bater-se a meia encosta com muito vagar, uma bandada de perdizes ou ler no chão rijo o rasto do arteiro e vigoroso javali que vai ferido, mas escrever com maior entusiasmo e singeleza que Zacarias D’Aça não é fácil, foi inegavelmente, o primeiro e ainda do melhor que se escreveu do género em Portugal. Estou seguro que ainda tem a seu lado a sua cadela predilecta a 'Jóia', a sua escopeta 'scott' e seus bons companheiros Bulhão Pato, Lopes Cabral, Carlos e Jaime Bramão, Dr. Avelar, Dr. Manuel Bento de Sousa (o famoso Dr. Minerva …) bem como o catraeiro Lourenço, o homem que os transportava para a outra banda em busca da elegante codorniz, da nédia lebre ou da esquiva narceja nesse juncal alagado da Trafaria com alcantis bordejados pelo Tejo.

Quem diria, o paraíso da caça que era a Trafaria meados do século XIX!
Um outro dos seus caçadeiros preferidos, eram essas encostas da Arruda revestidas de vinhedos que corria em busca de uma boa cintada de perdizes, por este lugares ainda ecoam estéreis tiros, deste ínclito caçador-escritor muito marcado pelo romantismo.

Não poderia pois velho companheiro no centenário da sua morte, deixar de relembrá-lo, e dedicar-lhe embora que parcas algumas palavras amigas e de admiração
"

Texto de Nuno Sebastião, in Calibre 12, Dezembro de 2008 [aliás in RIBEIRA SECA, de Pedro Miguel Silveira, com a devida vénia] - sublinhados nossos

11 comentários:

américo disse...

Zé:
A ideia que me ficou da leitura é de que os autores do texto sobre Zacharias d' Aça não leram, de facto, o livro "Caçadas Portuguesas..." no que respeita ao ponto em que eu penso que deve ser feita a focagem pertinente - o "puncto", diria eu.
E qual é esse "puncto"? (escrevo de memória)
É a introdução do POINTER em Portugal, seguido da viva, violenta, brutal e trágica (na consequência) e modernista polémica que atravessou a totalidade dos caçadores portugueses do modernismo: o POINTER versus NAVARRO ESPANHOL - que, segundo d' Aça terá tido como consequência a extinção (terá sido total? É de duvidar, claro)deste.

américo disse...

E também pertinente relembrar que Ruy d' Andrade em 1924, na revista "Caça & Sports", nº 18, num artigo que é uma grande obra prima, «Cães de Caça», retoma o "Navarro". Ruy d' Andrade não reconhece, assim, a extinção do "Navarro" embora considere que o "Navarro" apresente todos os grandes sintomas de crise, injustamente - o que Ruy d' Andrade lamenta e explica porquê.

américo disse...

Na altura em que se gera a opção pelo pointer em relação ao navarro por parte dos nossos caçadores modernistas tal como Zacharias d'Aça nos narra talvez existissem ainda exemplares da "Regents breed" oriunda dos canis de D. João VI que se conhece através do livro de Lascelles*, "Letters on sporting", pág. 169, que Arkwright**, refere como sendo "an exhaustive book on pointers", pág. 150.

* "Letters on sporting", Lascelles, Robert, part I Angling - part II Shooting (1811, ...).

Este livro está no archive.org

http://www.archive.org/details/lettersonsportin00lascrich

Shooting começa a pág 125.
Woollet's engraving - pág. 166
Regent's breed - pág. 169 ["Regents breed" - o Regente é D. João VI]

**
William Arkwright, "The Pointer and is Predecessors: An Illustrated History of Pointing Dog...", 2º ed., 1906

Este livro está no archive.org

http://www.archive.org/stream/pointerandhispr00arkgoog/pointerandhispr00goog_djvu.txt

américo disse...

The Correspondence of Charles Darwin, vol. 13, 1865
Supplement 1822-1864. Cambridge University Press, 2002
pág. 395
...
Charles Darwin, letter to J. H. Hooker [before 6 October 1858].

Is there any Dog in Spain closely like our English Pointer, in shape & size, & habits, - namely in pointing, backing & not giving tongue. - Might I be permitted to quote Mr Borroww's answer to the query? Has the improved English pointer been introduced into Spain?
Ch. Darwin

George Henry Borrow was a well-known writer who had lived and travelled in Spain for several years.In the biography of Borrow in which the above letter was reproduced, the author noted that CD sent the inquiry through Hooker, who passed it on to Borrow's friend, Thomas Brightwell (Shorter 11913,p. 318). CD cited Borrow's reply in "Variation" I:42,but Borrow's letter to CD has not been found (see "Correspondence" vol. 7, letter to J. D. Hooker, 6 October [1858] and n. 8)
...

américo disse...

Darwin, "The Variation of Animals and Plantes under Domestication", vol. 1, p. 44
Elibron Classics book, a facsimili reprint of a 1885 edition by John Murray, London, 2ª ed., revised, vol 1 e 2.
Adamant Media Corporation

«Our pointers are certainly descended from a Spanish breed, as even their present names, Don, Ponto, Carlos, &c, show; its said that they were not known in England before the Revolution in 1688; but the breed since its introduction has been much modified, for Mr, Borrow, who is a sportman and knows Spain intimately well, informed me that he has not seen in the country any breed "corresponding in figure with the English pointer, but there are genuine pointers near Xeres which have been imported by English gentlemen".»

Não há dúvida: há uma contradição flagrante entre Zacharias d'Aça e Borrow.

São ambos escritores e apaixonados caçadores; d' Aça viveu a sua vida por cá em Portugal, Morrow, muito embora, segundo Darwin conheça bem a Península Ibérica apenas a atravessou.
Mesmo assim custa a crêr na divergência!...

américo disse...

Contemporânio de Zacharias d'Aça é
Oswald Crawfurd escritor, diplomata, consul no Porto; usa, por vezes, o pseudónimo de John Dangerfiel; é também um caçador abnegado.

Faz parte do grupo de autores que viajaram por Portugal nos sécs. XVIII e XIX a sere estudados pelo Centro de Estudos Anglo-Portugueses da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa

Alguns livros de
Oswald Crawfurd estão no archive.org e na Open library:

"A year of sport and natural history, 1895;
"Travels in Portugal", 1875;
"Portugal old en new", 1880;
[O Texto de "A Portuguese Shooting Party" págs. 134 a 145, é deste livro]
"Round the Calendar in Portugal", 1890.

O "Modern History Sourcebook" seleccionou o texto, que está no site abaixo:
Oswald Crawfurd:
A Portuguese Shooting Party, 1880
http://www.fordham.edu/halsall/mod/1880potugueseshooting.html

Oswald Crawfurd,
Round the Calendar in Portugal,
1890
pág. 110
«A very stanch, keen-scented dog, no doubt, was d old Portuguese hound; "slow in poruit", like the Spartan breed of Theseus, for the country is difficult and the breed of horses was heavy, but, like the Spartan hounds, "matched in mounth like bells," for that is a point often mentioned by the older Portuguese wrters. This hound has wholly disaoeared, so far as I can ascertain; but I have, I believe, seen representations in a illuminated manuscript of the old Portuguese hound; and if I am not wrong, a modified modern representative of him still exists in the Portuguese pointer, the prototyp of all the pointers now upon this earth - the heavy and powerful hound with the keen nose, who has got
pág. 111
the heredity trick of stopping when he scents game. This dog is the "Perdigueiro", the partridge dog, of Portuguese sportsman, and is used for hardly any other game. He is much esteemed; so are the greyhounds kept on the plains of Middle Portugal where hares abound, and the wolf-dogs afore-mencionated, much like those of the Pyrenees, the guard the flocks on the great montain range of the Estrella»

Nota: Este texto levanta algumas dificuldades..., por exemplo, eu não conheço o manuscritoiluminado com a representação do "old portuguese hound".

américo disse...

Ver o meu primeiro e o meu segundo email

The annotated Origin: a facsimile of the first edition of Origin of Species
or
On the Origin of Species: A Facsimile of the First Edition

pag. 35
... "Its Known that the English pointer has been greatly changed within the last century, and in this case the change has, it is believed, been chief effected by crosses with the fox-hound; but what concerns us is, that the change has been effected unconsciously and gradually, and yt so effectually, that, though the old Spanish pointer certainly came from Spain, Mr. Borrow has not seen, as I am informed by him, any native dog in Spain like our pointer. ..."
Charles Darwin

The Project Gutenberg eBook of George Borrow and His Circle, by Clement King Shorter

www.gutenberg.org/files/19767-h.htm

Has the improved English pointer been introduced into Spain? C. Darwin FACSIMILE OF A COMUNICATION FROM CHALES DARWIN TO GEORGE BORROW

américo disse...

Zacharias d Aça, "Caçadas portuguesas..."

Pág 172 a 174
"BATALHA ENTRE OS ANTIGOS E MODERNOS"
Pointer versus navarro portuguez ["Requiescat in pace"]
"O pointer invadiu a península, pela primeira vez, na comitiva dos officiais inglezes de Beresford e de Wellesley...", pág. 173

J. T. Cabarrus, "El mejor Perro de muestra", 1882, reed. de 1984

"... «Mona» era, en lo fisico y en lo del instinto, eltipo genuino del pachon mallorquin: blanca, cuadrada, corta de lomos, cabeza de BULLDOG, gran-
pág. 46
des orejas y rabona de nacimiento. Este exactissimo retrato casi podria en Mallorca aplicarse Á todos los buenos perros del país"

Cabarrus faz a opção pelos cães de parar lentos, que jamais caçam a galope, que caçam debaixo do cano da espingarda parando a caça a tiro e cuja busca nunca ultrapassará os 30 metros.

O último avatar é o pachon mallorquin

É a polémica conhecida: escolher entre um cão de parar rápido de busca longa e um cão de parar lento de busca muito curta.
A "batalha dos modernos" de Zacarias d'Aça não terá atravessado a península, mas a polémica (busca rápida e longa/busca lenta e curta) atravessou.

No frontespício da edição de 1882 de "El mejor prro de muestra" aparece a célebre gravura de L. WELLS, "SPANISH POINTER" publicada no livro de Stoneheng [John Henry Walsh], "The dog, inhealth and disease", 1ª ed. 1859, Ver na página 85. Está no google books. A assinatura de L.WELLS vê-se melhor na 2ª ed que está no archive.org.

Darwin Correspondence project
Letter4796 - Tegetmeir, W.B. to Darwin, C. R., 27 Mar 1865
Summary
Send copies of the "Field" containing all the pigeon articles [see 4785]
Luke Wells will undertake engravings for "Variation"
http://darwinprogect.ac,uk/entry-4796

Jonh Henry Walsh, Stonehenge foi director da revista "Field"
L. Wells fez inúmeras ilustrações de cães.

Na correspondênciade Darwin vê-se que L. Wells é un ilustrador com capacidade de fazer originais.

As ilustrações dos pombos feitas por L. Wells estão Darwin, "The variation of animals and plants", 1868.
http://darwin-online.org.uk/content/frameset?itemID=F878.1&viewtype=text&pageseq=1

américo disse...

Um dos primeiros pequenos tratados ou manuais do "chiens d'arrêt" informa, na linha de Zacharias d' Aça que os pointers tinham sido levados de Inglaterra para França pelos oficiais inglêses aquando da invasão.

Le chasseur au chien d 'arrêt
Elzear Blaze, 1846, 4ª ed.
este livro está no google books.

Chap. XXV «Les chiens d' arrêt - Éducation domestique», pág. 278
Chap. XXVI «Les chiens d' arrêt - Éducation théorique, pág. 295
Chap. XXVII «Les chiens d'arrêt - Éducation Pratique», pág. 306


...
p. 281
«Les premiers "pointers" furent amanés en France par des officiers anglais, lors de l'invasion en 1814 et 1815. ...»
...

Anónimo disse...

Possuo um livrinho intitulado Caça, editado em 1900, em Lisboa, sem nome de autor. Ao que tudo indica, pelos temas abordados (a descrição de caçadas), parece-me tratar-se de uma compilação de artigos de Zacharias Aça publicados no Tiro Civil e em A Caça.

Se assim for, se a autoria for mesmo do Zacharias Aça, muito do texto do post não bate certo.

Apelo às qualidades de pesquisador do Américo Caseiro para desfazer esta minha dúvida e esclarecer se o citado livro é mesmo do Zacharias Aça.

Sobre o assunto que parece martirizar o Américo, um destes dias haveremos de conversar sobre ele. Talvez o Navarro seja uma ficção de letrados portugueses...

JMC.

Anónimo disse...

Chamo-me Paulo Aça e tambêm tenho alguns livrinhos do meu bisavô Zacharias D`Aça.O meu mail é aca.lopes@gmail.com gostava de saber mais com o v/conhecimento que deve ser muito bom .